8

Miss Marcia Gabrielle faz regressão e cura medos com a Parapsicologia

‘Voltei até a época que vivi na barriga da minha mãe’, diz ela, que também usou o estudo para se livrar da dor da perda traumática de um amor.

Luciana Tecidio do EGO no Rio

Há dois meses, Marcia Gabrielle faz um curso de Parapsicologia em Volta Redonda, interior do Rio

Miss Brasil de 1985,  Marcia Gabrielle descobriu uma maneira de renascer aos 48 anos. Há dois meses, ela começou a estudar a Parapsicologia em Volta Redonda, no interior do Rio de Janeiro. Durante os fins de semana, Marcia deixa seu apartamento no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio, e se dedica às aulas do método Grisa, desenvolvido pelo parapsicólogo Pedro Antonio Grisa. Márcia encontrou na ciência que esmiuça os mistérios do poder da mente o caminho para se curar das dores da vida.

Em fevereiro, na véspera do carnaval, a Miss, que é filha única, levou um susto e teve que internar simultaneamente os pais, Enedina e Irineu, em hospitais diferentes, ambos na Zona Sul do Rio. Irineu sofreu um ataque no coração e precisou colocar de emergência um stent (prótese metálica posicionada no interior de artérias coronarianas). Enquanto aguardava a filha resolver os procedimentos para a internação do marido, Enedina teve uma convulsão no corredor do hospital. “Meu chão se abriu. Por ser véspera de carnaval, estava sozinha para resolver tudo. Não tinha amigos, familiares, ninguém. Comecei a gritar dentro do hospital desesperadamente”, lembra Marcia.

Na época, ela vivenciava outra tristeza. Acabava de ser abadonada por um namorado por quem era muito apaixonada. O término foi abrupto. Um dia, ele a procurou e avisou que tinham interesses de vida diferentes. “O fim me deixou obcecada e virou um tormento. Não parava de pensar nele um minuto! Sofri horrores. Estava muito doloroso.”

Fim do namoro foi a luz

Para se libertar da obsessão da falta do namorado e da dor de ver os pais doentes, Marcia buscou ajuda em várias religiões até chegar ao parapsicólogo Pedro Antonio Grisa. Segundo ela, a Parapsicologia a fez entender seus problemas, elevando sua autoestima. “Tudo se esclareceu. Compreendi que, por ele ter sido um grande amor, eu não aceitava a perda e lutava contra isso. Mas a Parapsicologia me fez entender basicamente que precisamos acatar a decisão do outro. Entendi que a dor foi a ferramenta que me ajudou a ter essa sabedoria. No final, o que era um problema foi um caminho para o autoconhecimento.”

No curso do Instituto de Parapsicologia e Potencial Psíquico, Marcia Gabrielle descobriu o poder que o subconsciente exerce na mente e, consequentemente, na vida do ser humano. “Meu subconsciente exerceu um poder muito grande nessa dor. Ainda estou no processo de investigação e no estudo disso tudo. No entanto, só de colocar em prática as técnicas que aprendo no curso, já me sinto bem melhor.”

Uma das conquistas que revolucionou sua vida foi a cura do medo da solidão. Desde criança, a Miss Brasil tinha dentro de si um pavor inexplicável de ficar sozinha. Ela também detestava elevadores e já chegou a ficar presa 15 vezes dentro deles. Para descobrir o motivo que a levava a ter esses medos, Marcia se submeteu a uma regressão com Grisa. A Parapsicologia entende que muitas fobias podem ter sido adquiridas na infância.  “Ele me hipnotizou e descobrimos que meu medo veio a partir da gravidez da minha mãe, quando ainda estava na sua barriga. Ao investigar, soube que quando ela estava com cinco meses de gestação, meu pai teve tuberculose e o medo que ela teve de ele vir a morrer e a deixar sozinha com uma filha pequena passou para mim na barriga. Vim carregando isso até hoje. A descoberta me curou das fobias”, assegura ela.

Ainda faltam três anos para Marcia concluir o curso e destrinchar os mistérios da mente humana. Levitação, experiências com poltergeists, telepatia e muitos outros fenômenos fazem parte do currículo. “Agora estou podendo entender o motivo de certas coisas e lidar melhor com elas. Eu sempre tive uma atração pelo desconhecido e estou louca para aprender sobre esses fernômenos.”

Livre dos medos, ela caminha para o autoconhecimento