Histórico

Pedro Antônio Grisa, desde criança é um inveterado pesquisador. Já lá na roça, onde morava com seus pais, observava como as Leis do Criador regiam a natureza.

Sempre foi um observador nato, de espírito analítico, e um curioso das coisas obscuras, veladas e, às vezes, mal explicadas ou mal fundamentadas.

Procurou permanentemente a resposta à pergunta, que deve guiar todo verdadeiro cientista: “COMO FUNCIONA”.

E nessa permanente busca de respostas aos mistérios que sempre habitaram as profundezas da mente humana, desenvolve um novo método para melhor compreender, analisar e orientar o ser humano, e por isso, nada mais adequado e justo, para o seu mentor e idealizador, que esse conjunto de conhecimentos e procedimentos, seja chamado de SISTEMA GRISA de Formação e Orientação parapsicológica.

O método SISTEMA GRISA compreende as dificuldades vivenciadas pelo ser humano como advindas de sua história de vida, cujos registros ficam gravados em seu subconsciente. Com base nessas e outras constatações científicas o SISTEMA GRISA assume o seu verdadeiro papel: contribuir com o desenvolvimento e a evolução do ser humano, na certeza de vislumbrar de modo claro e rico, amplo e objetivo, o complexo jogo de causas e efeitos presentes na história de vida das pessoas.

A fim de melhor entender o SISTEMA GRISA, em sua amplitude e profundidade, convém relatar alguns passos percorridos pelo fundador do IPAPPI e mentor do SISTEMA GRISA, Dr. Pedro Antonio Grisa.

A IOGA E UMA NOVA VISÃO

Em 1963, vivendo a experiência de noviço em Itapetininga (SP), é aconselhado pelo Mestre do Noviciado a estudar o livro Yoga Para Cristãos. A prática da Hata-Ioga soluciona rapidamente um grave problema de fígado que vinha atormentando o noviço.

O contato com a Filosofia Oriental e as experiências de Yoga despertam inúmeros questionamentos, especialmente de ordem religiosa e filosófica.

 

A FELICIDADE EXISTE?

No mesmo ano inicia uma longa pesquisa, tendo como objetivo “Descobrir se é possível ao Ser Humano vivenciar a Felicidade aqui no Planeta Terra, e com que intensidade e duração”.

Nove anos depois, em 1972, redige as conclusões finais dessa pesquisa, assim sintetizadas: “O Ser Humano vive em permanente luta entre duas Energias Opostas, duas fortes e permanentes tendências essencialmente contrárias”:

  1. A tendência que leva ao Egoísmo que vai fechando o indivíduo sobre si mesmo, desencadeando um processo de isolamento. É o egoísmo, concluía GRISA, que leva a pessoa a fechar-se em seus interesses imediatos e mesquinhos, tendo como conseqüências o despertar da vaidade, do orgulho, da inveja e do ciúme; caminhando o indivíduo para o isolamento em si mesmo, vivenciando as sensações do abandono, da rejeição e da angústia; caindo mais e mais no precipício da depressão e do desespero, para a morte, para o Inferno. “O Egoísmo, amigo, é o verdadeiro Diabo que te carrega para o inferno”.
  2. O Altruísmo é a Energia oposta que conduz o Ser Humano ao Encontro com os outros, trilhando o caminho da Paz e da Harmonia. Pelo Altruísmo o Ser Humano se abre para o mundo e para as outras pessoas e grandes objetivos. Vai entrando num processo cada vez mais amplo de colaboração, de fraternidade, de amizade, vivenciando as sensações da alegria, da coragem e do entusiasmo, escalando com firmeza e persistência os montes e as montanhas, atingindo os pícaros da comunicação tranqüila e da paz, conquistando a Harmonia e a Felicidade. “É guiado pela chama do altruísmo, amigo, que você pode escalar o píncaro da Felicidade e abrir as portas do Paraíso”.

 

CIÊNCIA E SER HUMANO

É na fase final dessa pesquisa que Grisa decide buscar uma nova visão do Ser Humano, alicerçando seus estudos e pesquisas em fundamentação exclusivamente científica, livre de princípios apriorísticos, religiosos ou filosóficos.

Mas uma questão fundamental se impõe: “Essa postura exclusivamente científica, não é própria do ateu?” A resposta surge clara como a luz do dia: Se “Deus é o criador do Céu e da Terra e de tudo o que neles existe”, segundo postulam todas as grandes religiões, algumas conclusões se impõem pela lógica da evidência:

  1. “Deus, como Criador do Universo e de todas as realidades cósmicas, é também o Criador de todas as Leis que regem o funcionamento do Universo Físico – Químico e da Natureza Viva”.
  2. “As Ciências nada mais fazem que descobrir as Leis que governam o funcionamento do Universo, do átomo às galáxias e do vegetal ao Ser Humano”. Portanto, toda a Ciência sempre identifica Leis e Princípios estabelecidos pelo criador, ou seja, Leis e Princípios Divinos.

Diante desta evidência, Grisa sente-se encorajado e tranqüilo, na busca de uma Nova Visão do Ser Humano, em bases exclusivamente científicas.

 

DESCOBERTAS, CONSTATAÇÕES E COMPROVAÇÕES CIENTÍFICAS DO SISTEMA GRISA

A partir da pergunta: Como funcionam os fenômenos Paranormais? Descobre-se:

  1. que os fenômenos Paranormais não têm origem no mundo sobrenatural ou espiritual e sim no Ser Humano;
  2. que a Paranormalidade (Mediunidade ou Sensitividade) não é Dom divino nem manifestação do mundo do além, é, sim, um potencial natural do Ser Humano, como tantas outras capacidades;
  3. que o verdadeiro agente dos fenômenos Paranormais é a Mente Humana;
  4. que a Mente Humana perturbada, quando o indivíduo vivencia grave ameaça à sua Sobrevivência, desencadeia poderosa Energia. Exemplos: Fenômenos de “Poltergeist” ou das casas consideradas mal-assombradas, pessoas que parecem estar possuídas pelo diabo, outros espíritos ou entidades…
  5. que a Mente Humana é capaz de desencadear a chamada “Energia Psi” capaz de atuar nos diferentes campos de energia:
  • a) da Física “ignorando”, por assim dizer, as leis da Gravidade e da Inércia, movimentando e fazendo voar objetos, nos fenômenos de casas ditas mal-assombradas;
  • b) da Química, desencadeando fogo, nos fenômenos de autocombustão e “combustão espontânea”; e é a emoção de raiva, especialmente contida, que produz “fogo mental”;
  • c) da Biologia, produzindo doenças “inexplicáveis” por sua violência e fatalidade ou por sua origem desconhecida; bem como produzindo as chamadas curas milagrosas ou espirituais;
  • d) da Comunicação, recebendo ou transmitindo informações ou mensagens que extrapolam as leis que regem o rádio, a televisão e a telefonia; como nos fenômenos Psi-Gama: Telepatia, Pré-cognição, Claripercipiência e Bilocação de Consciência (Projeciologia, Desdobramento ou Viagem Astral).

Constatada e comprovada essa fantástica capacidade que a Mente Humana possui de produzir a poderosa Energia Psi, surge a necessidade de formular-se uma nova pergunta: Como funciona a Mente Humana para desencadear a energia? Essa fantástica Energia Psi, capaz de desencadear a manifestação dos Fenômenos paranormais?

 

E NASCE A NOVA CIÊNCIA DA MENTE HUMANA

Sempre fundamentado na pergunta que rege todo processo de pesquisa científica, Grisa sempre à frente das pesquisas do IPAPPI, criador e mentor do Sistema Científico Independente de Pesquisa e Orientação Parapsicológica Dr. Pedro Antonio Grisa –SISTEMA GRISA, não teme nenhum desafio e formula a pergunta: Como funciona a Mente Humana para desencadear a Energia Psi?

Desafio, sim. E ousado desafio, pois aqui se traça a Linha divisória entre a Parapsicologia, como a nova Ciência da Mente Humana e as outras ciências que tradicionalmente estudam o Psiquismo Humano, como Psicologia, Psiquiatria, Psicanálise e Neurologia.

O parapsicólogo Pedro Antonio Grisa nunca esteve muito preocupado com o cientificismo nem com anátemas de academias, muitas vezes estagnadas ou engessadas por intocáveis paradigmas; e formula tal pergunta por dois motivos fundamentais:

  1. Porque descobrir como funciona é identificar Leis e Princípios que regem a relação causa-efeito, objetivo de toda pesquisa científica. Toda descoberta cientifica é permanente, como perenes são as Leis e os Princípios que regem o funcionamento do Universo e da Natureza Viva.
  2. Porque até a descoberta da Parapsicologia, especialmente do SISTEMA GRISA, de que a mente humana desencadeia Energia Psi, é uma descoberta absolutamente surpreendente, pois não se imaginava sequer que a mente humana pudesse produzir energia. Tanto que você já deve ter ouvido afirmações como: Isso não é psicológico, isso está provado que é biológico! ou Isso é físico, isso é pura coincidência.

Nunca se havia levado a sério, sob o ponto de vista científico, que a mente humana pudesse desencadear e canalizar energia. Muito menos se supunha que a Energia Psi pudesse atuar nos campos da física, da química, da biologia e da comunicação, rompendo os limites até então conhecidos por essas ciências.

E o SISTEMA GRISA rompe também os limites da Parapsicologia tradicional, tanto da Escola Católica, quanto da Escola Espírita, bem como da Escola Experimental de Parapsicologia. E isso somente foi possível graças às respostas dadas a essa pergunta.

Relacionamos a seguir as principais constatações, descobertas e comprovações científicas realizadas pela Parapsicologia Independente do SISTEMA GRISA sobre a mente humana e conseqüentemente sobre o Ser Humano:

1ª – A primeira grande comprovação feita pelo SISTEMA GRISA sobre a Mente Humana foi a constatação de que: A mente humana possui duas funções básicas:

  • O Consciente – a Função Racional,
  • O Subconsciente – a Função Mecânica.

Em linguagem popular, pode-se dizer que o SISTEMA GRISA descobre que o Ser Humano não é um, é dois, ou ao menos, funciona como dois: o Eu e o Robô Invisível.

Quem já não desejou estar contente e animado? E, sem querer, continua triste e sem ânimo? E quantos prometem mudar, afirmando que é decisão que vem do fundo do coração, e logo depois recaem nas mesmas falhas e fraquezas? É porque essa dualidade faz parte do próprio Ser Humano.

É o Eu-Racional, a pessoa enquanto gente, em luta cega com a Besta-Irracional e Mecânica, seu Subconsciente, o Robô Invisível.

Essa descoberta das duas funções da mente humana – racional e mecânica – traça uma linha divisória entre o SISTEMA GRISA e outros estudos, como as Psicologias, as Filosofias e as Religiões, estudos esses que sempre consideraram o Ser Humano um ser Livre, dotado permanentemente de livre arbítrio.

E eis o grande engano: O Ser Humano não é um ser permanentemente livre, pode vir a ser livre somente na medida em que compreender como funciona sua mente e aprende a comandar seu Subconsciente, deixando de ser regido por ele.

Por tanto, o Ser Humano somente é livre na medida em que cultiva adequadamente o Terreno Mental, doméstica a Besta-Interior, comanda o Robô Invisível.

 

PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO IPAPPI – SISTEMA GRISA
Prof. Dr. Pedro Antonio Grisa

Em 31 de outubro de 1984, com a participação de duas dezenas de voluntários e simpatizantes da Parapsicologia e estudos afins, era fundado o IPAPPI – Instituto de Parapsicologia e Potencial Psíquico. Entre os sócios fundadores fazem-se presentes Áurea Volpato (tornando-se a mais importante colaboradora nas pesquisas desenvolvidas pelo instituto da década de 1980) e Janice Marés Volpato (idealizadora e coordenadora da Escola Infanto Juvenil de Parapsicologia e Treinamento Mental).

Logo após a fundação do IPAPPI, o Prof. Octávio Melchíades Ulisséa – criador e mentor da FECEPASC e Campus Educacional “Bezerra de Menezes” – alertava-me ao falar-lhe da fundação do IPAPPI e seus objetivos:

– Cuidado, amigo Pedro, se você começar a dar atendimentos individuais como Parapsicólogo, você poderá ser questionado por psiquiatras e psicólogos…

O alerta do amigo Ulisséa sempre esteve presente, como “cuidado”, porém jamais como “medo”.

E cuidado sempre tive comigo mesmo e com todos os profissionais que comigo foram integrando a equipe do IPAPPI e o primeiro deles foi o psiquiatra Dr. Wagner Dias de Moraes.

Os cuidados maiores sempre foram em relação à seriedade e a qualidade dos serviços prestados.

O segundo cuidado sempre foi à contínua fundamentação científica das atividades do IPAPPI, tendo na ciência da Parapsicologia seu alicerce e sua coluna mestra.

O terceiro cuidado a pautar as minhas atividades pessoais e as do próprio Instituto foi o de “não colocar a carroça à frente dos bois”, “devagar se vai ao longe, depressa se quebra o bonde”.

E em minhas meditações e reflexões mais pessoais, pensava “cá com meus botões”: a conquista de novos horizontes só foi realizada por pioneiros audazes e atrevidos, persistentes e decididos, sempre alertas diante de possíveis perigos e buscando os caminhos mais seguros… E tem mais – espero que nunca aconteça – mas se acontecer de ser proibido de trabalhar como Parapsicólogo, crio a IGREJA DA HARMONIA UNIVERSAL. E ninguém me impedirá de gozar dos direitos invioláveis da liberdade religiosa.

A seriedade do trabalho desenvolvido no IPAPPI, sob minha coordenação e supervisão de minha esposa Adelaide Therezinha, vai difundindo-se e novos profissionais passam a integrar a equipe e outros prestam apoio ou estabelecem convênio.

Em 1985 o IPAPPI estabelece convênio de pesquisa na área da Radiônica e Energia das Formas com Pesquisas Parapsicológicas de Curitiba (PR) sob a Presidência de Harro Olavo Mueller, tendo como pesquisadores Monsenhor Vicente Vítola e o Pe. Miguel Lucas.

No mesmo ano, o Astrólogo Dr. Jaime Lopes Dalmau passa a integrar a equipe do IPAPPI e logo a seguir Frei Alvadi Pedro Marmentini, Padre Capuchinho, contribui com as pesquisas do instituto como profundo conhecedor da Parapsicologia da Escola Católica. Ainda no mesmo ano, inicia-se o trabalho de apoio e posterior convênio com Frei Hugolino Back, do Conventinho do “Espírito Santo”, em Santo Amaro da Imperatriz – SC.

Também em 1985, o IPAPPI recebe o apoio explícito do mais conhecido Parapsicólogo de Florianópolis, Pe. Evaristo Debiasi, e também do Diretor do ITESC – Instituto Teológico de Santa Catarina, hoje Arcebispo de Londrina/PR Dom Orlando Brandes, anteriormente Bispo de Joinville/SC.

Em 1986 o IPAPPI recebe apoio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão Universitária da UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina, através do Pró-Reitor Diomário Queiroz.

Nesse mesmo ano, precisando de pessoa eficiente e dedicada, para gerir as atividades funcionais e administrativas do IPAPPI, consigo convencer minha esposa, Adelaide Therezinha Pozza Grisa, a assumir comigo as responsabilidades cotidianas do Instituto; e acontecia nosso segundo casamento, agora éramos nós dois que casávamos com o IPAPPI, e o Ed. João Moritz passa a ser quase uma extensão de nossa residência.

No mesmo ano é criada, a 19 de setembro, a LIPAPPI – Livraria de Parapsicologia e Psicotrônica, hoje denominada Livraria de Parapsicologia, Autoconhecimento e Auto-Ajuda. Ainda em 1986, o IPAPPI realiza, em fevereiro, o I Encontro Catarinense do Paranormal, e em agosto, o I Encontro Sul Brasileiro do Paranormal, ocasião em que pela primeira vez no Brasil, debatem, no mesmo encontro científico, Parapsicólogos das três escolas: Católica, Espírita e Independente.

Em 1987, em fevereiro e agosto, respectivamente, acontecem os II Encontro Catarinense e Sul Brasileiro do Paranormal. Ainda em agosto a médica Maria Aparecida de Souza, ex-vice-presidente do IPAPPI, acupunturista e pós-graduada em Medicina Chinesa, também ingressa em nossa equipe.

Em 1988, é lançado o livro A Cura Pela Imposição Das Mãos (com quatro edições no mesmo ano) e Liberte Seu Poder Extra é revisado e para sua 4ª edição recebe capa nova.

Nesse mesmo ano é criada a EDIPAPPI – Editora de Parapsicologia e Potencial Psíquico, de propriedade da LIPAPPI LTDA ME.

Em 1989 é criada Filial da LIPAPPI e extensão do IPAPPI na cidade de Blumenau – SC, tendo César Antônio Grisa assumido a gerência da loja e a promoção de cursos intensivos bimestrais.

De 1990 a 1994, Rosângela Pozza Grisa assume a divulgação de cursos e atividades do IPAPPI, período em que são realizadas as melhores reportagens e a mais ampla divulgação do Instituto.

E a história do IPAPPI continua sempre dentro de um ritmo intenso, lembrando que, paralelamente a esses fatos numerados, o IPAPPI desenvolvia pesquisas sobre IMPOSIÇÃO DAS MÃOS, Piramidologia e Fenomenologia Paranormal, tendo como carro-chefe, a pesquisa sobre Parapsicologia e Personalidade.

Em 1990 é lançado o livro Paranormalidade Para Todos, agora reeditado e subdividido em dois livros, Paranormalidade um Potencial Mental, já lançado e Paranormalidade, Transe e Estados Alterados de Consciência, ainda em elaboração; e, em 1992 o livro O Jogo e a Estrutura das Personalidades.

Novos cursos, novas gravações de fitas, novas obras publicadas, novos profissionais: Ilséte Heiderscheidt, Henrique Dalló Pagnoncelli e César Antônio Grisa, integrando a equipe, artigos e reportagens publicadas em revistas e jornais.

Em 1993 e 1994 com apoio e persistente incentivo de Frei Alvadi Pedro Marmentini, decidi, com a anuência da equipe de profissionais do IPAPPI, realizar quatro seminários sobre Fenomenologia Paranormal e Poder da Mente; Parapsicologia e Personalidade; Hipnose e Orientação Parapsicológica, os quais se constituem no anteprojeto do Curso de Aperfeiçoamento em Orientação Parapsicológica – CAOP – I, II e III Níveis.

Em 1995 tem início as atividades de formação do Orientador em Parapsicologia do SISTEMA GRISA com a primeira turma.

Em 1998 é criado o Sindicato dos Parapsicólogos Clínicos do Estado de Santa Catarina – SINPASC (registrado junto ao Ministério do Trabalho sob o n° 46000.002308/98). Em agosto desse mesmo ano, a primeira turma de caopistas conclui o curso, ocorrendo a Formatura da Primeira Turma de Parapsicólogos Clínicos do SISTEMA GRISA. Na ocasião, Ilséte Heiderscheidt lança o livro Pais e Filhos, Filhos e Pais.

Em 03 de outubro de 1999 Pedro Antonio Grisa defende a Tese de Doutorado SOBREVIVÊNCIA E PERSONALIDADE: Relação Existente Entre Fenomenologia Paranormal, Sobrevivência e Estrutura da Personalidade, junto à Universidade Livre das Ciências do Homem de Paris, recebendo o título de Doutor em Psicologia com conceito máximo. Esse fato pode ser considerado o reconhecimento acadêmico das atividades do IPAPPI e do SISTEMA GRISA.

Em 1999 tem início o CAOP em Volta Redonda – RJ.

Em março de 2002 é instituído o CAOP em Curitiba/PR e inicia-se a estruturação do IPAPPI Paraná. No mesmo ano ocorre a formatura da primeira turma de Volta Redonda – RJ, e

Em 2004 é criado o CAOP em Cachoeiro do Itapemrim/SC

Em 2005 é instituído o CAOP em João Monlevade/MG.

Em dezembro do mesmo ano o IPAPPI celebra convênio com a UNIVALI para realização do curso de pós-graduação latu sensu, especialização em Orientação Parapsicólogica Social e Institucional; por este convênio o IPAPPI ingressa definitivamente no ensino acadêmico.

Em 2007, o IPAPPI celebra convênio também com a USJ. E, agora em 2010, o IPAPPI – PR celebra convênio com a Faculdade Vicentina da Ordem dos Padres Vicentinos.

Quero neste momento prestar homenagem especial ao Professor Dr. Paulo Hentz que se empenhou para a celebração do convênio com a UNIVALI, a qual também somos sempre gratos por acolher o IPAPPI no mundo acadêmico, abrindo as portas de um novo tempo para nosso Instituto.

Mas nunca será demais lembrar que todas essas atividades e tantas outras, são atividades que tem a marca do pioneirismo, com suas limitações, mas também com sua grandeza, seus desafios, dificuldades e incansável dedicação.

Amigos caopistas, o alerta do amigo Ulisséa jamais foi esquecido. E sem termos o medo dos medíocres, jamais deixamos de ter os cuidados do prudente, contudo sempre esteve acesa a chama do pioneiro atrevido, que avança por caminhos nunca dantes trilhados.

Quero lembrá-los caros caopistas da turma Florianópolis CAOP/CEP – 2010, vocês já ultrapassam a marca da trigésima turma de Caopistas/Ceopistas do IPAPPI e do Brasil; porém, convém lembrá-los:

Quero afirmar a todos vocês e demais colegas presentes, que em breve, estarão sendo habilitados, ao final do CAOP I Nível em orientação parapsicológica social, ao final do CAOP II Nível em orientação parapsicológica institucional, ao final do CAOP I Nível em orientação parapsicológica Pessoal; serão investidos da profissão de parapsicólogo-terapeuta do Sistema Grisa – Parapsicólogo Clínico.

Contamos também com vocês na contínua dedicação para que a nossa profissão não só seja reconhecida por inúmeras pessoas, diferentes classes sociais e diferentes profissões pelos inúmeros benefícios proporcionados, pelo SISTEMA GRISA e seus profissionais; mas também, diante dos órgãos oficiais e instituições governamentais; como pelo Sindicato dos Parapsicólogos Clínicos do Estado de Santa Catarina – SINPASC – a profissão já foi reconhecida junto ao poder executivo e ao poder judiciário ao ser registrado o SINPASC junto ao Ministério do Trabalho pelo número 46.000.002308/98-13

Contudo, para que uma nova profissão possa ser valorizada e justificada, algumas condições são indispensáveis:

  1. Que haja campo específico de atuação;
  2. Que haja uma nova ciência, nova teoria, novos métodos ou técnicas que justifiquem a necessidade de formação de um novo profissional, tendo destacada relevância no universo dos conhecimento e para responder as necessidades sociais.;
  3. Que haja profissionais competentes e já atuantes que demonstrem o valor e a importância da nova profissão;
  4. Que sejam estabelecidos currículos e cursos sejam criados, que preconizem e viabilizem a formação dos novos profissionais.

Vocês, caopistas, ceopistas e parapsicólogos Clínicos já formados, são os nossos companheiros de pioneirismo, desse pioneirismo audaz e atrevido que visa contribuir para construir um mundo melhor e despertar uma espécie humana mais feliz.

Por isso tudo, caopistas, convido-os, mais uma vez, a erguer a cabeça altiva dos pioneiros atrevidos, expulsando sempre o medo dos medíocres e o egoísmo dos fracos, mas tendo sempre o cuidado da responsabilidade, da eficiência e dedicação, inspirando-se na luz da Sabedoria, que brilha na perene Vibração Evolutiva e Harmônica do Universo, reflexo perceptível de seu Criador, lembrando sempre que a busca contínua da evolução e da harmonia difere da mesquinha e estéril mania de perfeição. Um mundo cheio de desafios espera por seu coração audaz e amável.

A fim de melhor entender o SISTEMA GRISA, em sua amplitude e profundidade, convém relatar alguns passos percorridos pelo fundador do IPAPPI e mentor do SISTEMA GRISA, Dr. Pedro Antonio Grisa.